INICIAÇÃO Á PRÁTICA DO HANDEBOL

CONCEITOS BÁSICOS PARA A ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA INICIAÇÃO À PRÁTICA DO HANDEBOL1

Por - Jorge Dorfman Knijnik2 - jk@usp.br

REFERÊNCIA

KNIJNIK, Jorge Dorfman. Conceitos básicos para a elaboração de estratégias de ensino e aprendizagem na iniciação à prática do handebol. Revista Ludens - Ciências do Desporto, Lisboa, 2004, p. 75-81.

 

1

Este texto é parte do livro "Ensinando Handebol - um programa para estudantes universitários de educação física e esporte", a ser lançado em breve pelo autor

.

2

Docente da Universidade de São Paulo (Brasil) e da Universidade Presbiteriana Mackenzie; autor de A mulher brasileira e o esporte: seu corpo, sua história, e co-organizador de O mundo psicossocial da mulher no esporte: comportamento, gênero, desempenho (Editora Aleph, 2004). Técnico de handebol e diretor de comunicação da Federação Paulista de Handebol, já foi supervisor da seleção brasileira feminina de handebol (categoria cadete). 2

CONCEITOS BÁSICOS PARA A ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA INICIAÇÃO À PRÁTICA DO HANDEBOL.

Por Jorge Dorfman Knijnik

O handebol é um dos jogos coletivos mais disputados em nível escolar em São Paulo e mesmo no Brasil. É enorme a quantidade de estudantes e de equipes de ambos os sexos inscritas em qualquer torneio que contemple esta modalidade. Seja em uma disputa interna de uma escola, ou mesmo em uma olimpíada interescolar, até atingirmos os Jogos da Juventude (competição nacional que abarca equipes com jovens até dezesseis anos completos, de todos os estados da federação) e os Jogos Universitários Brasileiros, a modalidade está sempre entre as mais disputadas e concorridas.

O handebol é um jogo muito simples de se começar a jogar3. Os seus gestos técnicos requerem a combinação de algumas habilidades motoras fundamentais - andar, correr, saltar, quicar a bola, arremessar, receber - que são muito empregadas no cotidiano, tanto na forma de jogos de exercícios (como de passar e receber) como dentro de brincadeiras populares, como queimada ou câmbio. Estas habilidades também utilizadas em aulas de educação física escolar, e quando elas se encontram em um estágio intermediário ou maduro de execução, já é possível combiná-las no formato das técnicas motoras necessárias à prática do handebol. Este processo de combinação de habilidades geralmente ocorre por volta dos 8 a 10 anos, quando do desenvolvimento normal da criança.

A facilidade de se iniciar a jogar o handebol também passa pelo fato de suas regras básicas serem muito claras e de rápida apreensão pelas crianças;

3

Obviamente no seu processo de especialização haverá demandas tão desgastantes e precisas como na maioria dos esportes; o que se analisa neste artigo, porém, é a iniciação à modalidade - aquilo que pode se chamar de "sintonia grossa" no aprendizado, a idéia geral dos movimentos e do jogo. A "sintonia fina", isto é, a especificação das habilidades e a compreensão tática total da modalidade, é realizada numa etapa posterior, por aqueles interessados e capazes. 3

some-se a isto o fato de seu objetivo - o gol - ser representado por um alvo muito grande, e de sua bola adaptar-se muito bem às mãos das crianças, e temos um jogo muito interessante para o público infantil.

Devido a esta simplicidade para a iniciação ao handebol, o seu objetivo principal (fazer um gol) também se torna de fácil consecução, como dito acima. Assim, a meta e conseqüentemente o sucesso em uma partida de handebol são alcançados várias vezes, no jogo há muitos gols, diversos motivos para festa - o que acaba por fazer com que a modalidade seja um grande atrativo na iniciação esportiva. E como muitas vezes este processo de iniciação esportiva acontece ou é reforçado nas escolas, o handebol, como já afirmado anteriormente, acaba por se tornar uma das modalidades mais praticadas em âmbito escolar.

2. RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA A INICIAÇÃO.

Tanto a "popularidade" como a "facilidade" para se começar a aprender o handebol não fazem, contudo, que as suas atividades iniciais devam ser desconsideradas. Ao contrário, o processo de elaboração do ambiente em que a aprendizagem da modalidade ocorre deve ser extremamente planejado, e embasado em conceitos sólidos, para que a criança consiga desenvolver ao máximo todo o seu potencial enquanto iniciante de uma modalidade esportiva como o handebol.

Em primeiro lugar, recomenda-se que a iniciação ao handebol seja feita em um clima de absoluta ludicidade; tudo deve ser feito para que a criança obtenha um grande prazer por intermédio de sua prática esportiva, compartilhando bons momentos com os amigos enquanto aprende handebol.

Pontos primordiais e comuns a diversos jogos coletivos - a alegria de estar brincando junto com amigos, o próprio processo de socialização decorrente do esporte - devem ser partes centrais desta fase de iniciação. To have fun, divertir - se na iniciação da modalidade é fundamental para que a criança, aos poucos e cada vez mais, vá gostando do jogo e de todas as suas facetas. 4

O processo de ensino-aprendizagem deve estar voltado para o conhecimento dos aspectos básicos e mais gerais da modalidade, buscando-se atividades concretas e muito próximas à realidade de um jogo. Não cabe na iniciação um detalhamento de regras e táticas muitas vezes ainda incompreensíveis e dificilmente executáveis pelas crianças.

A partir destas recomendações gerais, a base estará lançada para que a criança iniciante se aprofunde nas técnicas e táticas da modalidade, quando da fase de treinamento mais específico.

A iniciação, todavia, é o primeiro momento, aquele em que devem se dar os primeiros passos para o aprendizado global da modalidade. Isto é, a criança iniciante deve compreender a estrutura geral do jogo, suas regras básicas, e também conseguir executar (sem nenhuma expectativa de padrões de excelência) as suas habilidades motoras específicas. Deve também aprender a se relacionar com colegas de time, adversários, árbitros e treinadores. Após ter dado este primeiro e grandioso passo, e se houver interesse e possibilidade, será possível uma ampliação destes conhecimentos e mesmo uma busca pela especialização na modalidade.

3. CONCEITOS BÁSICOS PARA A INICIAÇÃO

Levando-se em consideração a necessidade da sistematização do processo de iniciação sob princípios didáticos claros, suficientemente amplos mas ao mesmo tempo passíveis de aplicação, apresento aqui três conceitos que podem embasar a prática de processos de ensino-aprendizagem na iniciação ao handebol. Estes conceitos e suas decorrências pedagógicas na forma de exercícios e jogos de aprendizagem devem ser atravessados permanentemente por um clima lúdico e de intensa socialização - eles têm como pano de fundo as recomendações gerais aqui apontadas anteriormente. Para além de modelos prontos de exercitação, no entanto, estes conceitos propõem um embasamento mínimo para que o professor ou treinador reflita e aplique na sua prática, formas que aproximem o iniciante do jogo e de 5

suas habilidades de maneira mais coerente com os princípios da iniciação esportiva já enunciados.

1º Conceito Básico - Atividades de oposição

O handebol é eminentemente um jogo de oposição: sempre há alguém se opondo a você, seja na defesa, tentando tomar a sua bola, seja o goleiro, tentando evitar o seu gol; ou então, é a sua vez de se opor, procurando tomar a bola, bloquear o arremesso, ou fazer uma defesa de um arremesso a gol. A atividade de oposição é um elemento constante no jogo. Este é o primeiro conceito básico que deve ser trabalhada desde sempre na iniciação: a maior parte das atividades dos iniciantes devem conter uma situação de oposição.

Isto é, nos exercícios propostos, no treino das habilidades de arremesso, passe, bloqueio, interceptação, não se deve fazê-lo sem a presença do opositor, pois isto não representa a realidade viva do jogo. Assim, sempre que se arremessar, a presença do goleiro é fundamental; quando da troca de passes, a presença do "ladrão de bola" é importante, para que o iniciante aprenda desde cedo a lidar com o oponente de todos os jeitos - ou então acostume a realizar uma oposição, caso esteja na defesa sem a bola, ou jogando como goleiro.

Ao atuar com oponentes, o iniciante em posse de bola é obrigado a executar e criar as mais variadas formas de habilidades motoras a fim de superar esta oposição - passes de diversos tipos, dribles com bola, fintas com o movimento do corpo e das passadas, retificações de arremessos. Ao mesmo tempo, ele aprende a utilizar mecanismos perceptivos de ação em face de opositores - se deslocar com bola para espaços vazios, arremessar ludibriando o goleiro, passar a bola por baixo ao enfrentar uma defesa com braços erguidos.

Também emocionalmente, o jogador em posse de bola começa a se acostumar com situações de "pressão"; treina e aprende a não ficar tão nervoso, ansioso ou temeroso com a presença de marcadores; a ter calma e a aprender a refletir quando marcado, para se sair bem da situação. 6

Quem se opõe, concomitantemente, aprende a atuar sem bola, como e onde marcar o adversário; vai percebendo os espaços que deve preencher e os tempos em que deve atuar para dificultar as ações dos atacantes; ou mesmo aprende a retomar a posse de bola; também exercita atitudes defensivas com o corpo, e ao mesmo tempo treina a vontade de impedir que o oponente chegue ao gol, adquirindo a gana de recuperar a bola, agindo intensamente para tal - como é essencial para a atitude do defensor no handebol atual.

Alguns exemplos de atividade de oposição podem ser citados:

1.1. O jogo do "esperto", no qual um jogador (o "esperto") fica entre outros dois, tentando tomar a bola daqueles que passam e evitam esta retomada. O jogo, antigamente conhecido como "bobinho" (mas o jogador deve ser muito esperto para retomar a bola!), pode contar com inúmeras variações e restrições, como impedimento do drible na bola, rigidez ou flexibilidade quanto às restrições que a regra sete impõe ao tempo que o jogador segura a bola nas mãos ou ao número de passos que ele pode executar, por exemplo. O mais interessante nesta atividade, é que aquele que está tentando recuperar a bola perceba o momento de atacar quem está com a bola, ou então a hora de marcar e pressionar o que está sem bola; o atacante com bola, desenvolva habilidades de passe (por cima, quicado, parabólico, com mudança de direção, com fintas, entre outras) de acordo com o posicionamento do defensor; e, por fim, o atacante sem bola aprenda a atuar em constante movimento, sem ficar parado, pois se parar, terá dificuldades em receber o passe - no handebol "quem fica parado é poste". No Norte do Brasil, esta brincadeira também é conhecida como "jogo do peru".

1.2. Jogo dos passes, no qual um grupo de quatro ou cinco alunos tenta realizar um determinado número de passes entre si, enquanto o outro grupo tenta impedi-los; a cada vez que a equipe que está de posse de bola conseguir realizar este número de passes sem perder a bola (10 passes

7

 

entre si, por exemplo), ela computa um ponto para si; quando o grupo defensor retoma a bola, há uma inversão dos papéis, quem está com a bola passa a atacar e vice-versa. Podem-se também realizar diversas variações deste jogo, relacionadas aos conteúdos da regra sete (liberando ou proibindo o drible, o tempo para segurar a bola, o número de passos com a posse da bola, entre outras), ou mesmo restringindo a devolução da bola para aquele que realizou o passe, mudando a posse de bola caso a bola caia da mão do receptor ou o passe seja mal-executado; pode-se também restringir o espaço, criar diversas equipes atuando cada qual num determinado local da quadra, entre outras mudanças. O ponto crucial desta atividade, é que o iniciante comece a perceber a coletividade do jogo, a importância dele e de seus colegas atuarem em conjunto para manter a posse de bola ou para retomá-la; quando estiver com a bola, o objetivo da atividade é que a criança aprenda a perceber, num curto período de tempo, todo o espaço do jogo, e onde se encontram os colegas mais bem colocados, livres de marcação, decidindo-se pelo passe por um ou outro; quando estiver sem a bola, que a criança possa se movimentar de modo a estar bem posicionada para receber o passe; os que estão tentando retomar a bola, que criem situações de pressão suficiente para que o ataque erre suas tomadas de decisão, realizando um passe que lhes beneficie, ou jogando a bola para fora.

As atividades de oposição também possuem a vantagem de levantarem novamente, e de forma permanente, as questões do campo da socialização: como me relacionar com o adversário? Como me opor de forma coerente, honesta, respeitando os princípios éticos que norteiam o esporte, as regras do jogo e mesmo assim conseguir sobrepujar este oponente? Simultaneamente, como posso ajudar um colega que, em posse de bola, está em dificuldades, devido à pressão dos adversários? Quais estratégias de comunicação que estabeleço, através dos meus movimentos corporais, com meus companheiros de equipe?

8

 

 

Esta experiência de habilidades socializadoras é uma das mais ricas que o esporte pode proporcionar para uma criança - aprender a escutar, liderar, ser liderado, desafiar alguém, ajudar um colega, se movimentar em grupo...Todas são ações reais de socialização, por meio das quais as atividades de oposição, no interior da iniciação ao handebol, auxiliam de forma concreta a arte de aprender a se relacionar em grupo. Aliás, este aprendizado é um ponto que vem sendo muito almejado pela educação de forma geral, e é considerado importantíssimo no desenvolvimento global de crianças na faixa etária propícia para a iniciação à modalidade (por volta de 8 - 10 anos).

Estes exemplos dados acima são apenas à guisa de ilustração da idéia da atividade de oposição. Porém, o que se quer ressaltar aqui é a importância da iniciação ser pensada sempre como uma oposição, pois esta é a realidade do jogo e a oposição incessante e constante estimula o iniciante desde cedo a se habituar com o ambiente que irá enfrentar jogando handebol.

 

2 º Conceito Básico - Automatismos inconscientes

No ser humano, a partir de uma série de repetições corretas de um movimento, existe uma tendência a automatizá-lo. Deste modo, a partir do momento em que a execução começa a ser bem feita, o movimento não requer mais que se preste tanta atenção em todas as partes de sua execução. Este processo de automatização abre assim as portas da mente para novas formulações e aperfeiçoamentos deste movimento, ou para outras questões que o ambiente coloque.

O conceito de automatismos inconscientes, ou domínio inconsciente do movimento implica, desta forma, em realizar movimentos sem que grande parte de nossa atenção mental esteja voltada para eles. Assim, um praticante experimentado consegue realizar ações como dirigir veículos, correr, ou 9

mesmo andar, "sem pensar"4 no que está fazendo, criando portanto espaço e possibilidades para que a sua mente esteja atenta a outros fatores que envolvem aquela pessoa em um dado momento. Alguém que escreve um texto ao computador, por exemplo, poderá estar mais atento ao conteúdo daquilo que coloca no seu texto, se conseguir manipular e digitar bem as teclas de seu aparelho.

Quanto mais a criança puder realizar as habilidades motoras fundamentais (andar, correr, arremessar, driblar, entre outras), maior será a sua condição em praticá-las automaticamente, e menor a demanda por atenção mental nestes movimentos. Porém, seria muito desinteressante e desmotivante para a criança ficar executando e repetindo os mesmos movimentos mecanicamente, até dominá-los totalmente. Para tal, existem uma infinidade de brincadeiras para que a criança, "sem perceber", isto é, colocando pouca atenção naqueles movimentos, repita estes "inconscientemente" até que a execução fique de tal modo interiorizada, que possa ser feita com a necessidade de um mínimo de atenção.

Especificamente no handebol, a introdução do conceito de automatismos inconscientes deve ser feita quando se pretende que a criança aprenda ou desenvolva a execução das principais habilidades da modalidade. Isto significa que, ao atuar por meio de automatismos inconscientes, está se propondo uma maneira de construção de tarefas e brincadeiras, nas quais movimentos combinados básicos da modalidade (como passar e receber a bola correndo, driblar a bola em locomoção olhando para frente, arremessar com salto) estejam presentes e sejam obrigatoriamente realizados pelo iniciante, sem que o professor precise proferir ordens diretas de correção do movimento. Ou seja, a habilidade deve aparecer como condição sine qua non para que ocorra sucesso no jogo/brincadeira/atividade.

Desta forma, sem perceber, e motivada pela atração que a brincadeira exerce sobre ela, a criança acaba por realizar os movimentos básicos da modalidade, atingindo assim rapidamente uma primeira etapa na execução dos

4

"Sem pensar" no sentido figurado, expressando que a atenção do executante naquele momento está diretamente voltada para outras ações e objetos, ele não precisa pensar diretamente nas diversas etapas daquele movimento, pois já o tem sob quase total controle. 10

movimentos principais do handebol, de forma rápida, lúdica, prazerosa e não - mecânica. Em uma etapa posterior, como já dito, caso ocorra o interesse em se aprofundar, a correção destes movimentos poderá ser feita com uma maior atenção aos detalhes. Mas a intenção desta fase inicial é a de que a criança consiga rapidamente realizar os movimentos combinados5 básicos da modalidade, por meio de estratégias de automatização inconsciente, com um conteúdo lúdico e motivante, essencial para este seu primeiro contato com o handebol.

Alguns exemplos de atividades nas quais o conceito básico de automatismos inconscientes está presente.

2.1. - Brincadeira de pegar driblando a bola, ou "Pega - pega com bola". Uma (ou mais) crianças são os pegadores, enquanto o restante do grupo foge; o objetivo dos pegadores é encostar-se a algum fugitivo, mas para isso ele deve estar driblando a bola o tempo inteiro, o que o obrigará a olhar para à frente, e não para a bola, enquanto corre. Desta forma, o automatismo inconsciente de driblar olhando para frente surge espontaneamente, sem a necessidade do professor ou treinador insistir para que a criança execute esta ação. Para ter sucesso nesta atividade, ela forçosamente precisa olhar onde estão e para que lados correm os fugitivos, enquanto dribla a bola, Assim, o iniciante começa a aprender a importância de se executar o drible sem manter contato visual com a bola, mas sim olhando e dominando o ambiente. Esta necessidade, aliás, se impõe no jogo, quando ela precisa driblar e concomitantemente correr e dominar visualmente o espaço, olhando para frente, para os lados, sabendo em que regiões da quadra estão os colegas e os adversários.

5

2.2. - Mãe da rua trocando passes em dupla. "Mãe da rua" é uma brincadeira tradicional do Brasil, na qual as crianças ficam de um lado de um espaço, e devem atravessá-lo sem serem alcançadas ou por uma criança que está no meio (a "mãe") impedindo a passagem. Aquela que for tocada por esta criança que está como pegadora, ficará no meio também, ajudando a primeira "mãe", até todos serem pegos. Sua adaptação ao handebol consiste em que um ou mais pegadores permaneçam no meio da quadra, e as demais crianças na lateral da quadra, em duplas cada uma com a sua bola; o par deve atravessar a quadra trocando passes, e se a "mãe" conseguir interceptar a bola, a dupla estará pega; isso faz com que a criança obrigatoriamente olhe não somente para o seu parceiro enquanto troca passes, mas sim tente dominar o ambiente, para se precaver do avanço do defensor, trabalhando assim o automatismo de olhar para frente e para todos os lados enquanto está no ataque, trocando passes.

Ou seja, realizar os movimentos, conseguir jogar razoavelmente, fazer gols, ter sucesso, se motivar, gostar mais ainda do jogo, aprender mais movimentos, melhorar seu jogo - assim sucessivamente, num ciclo virtuoso que leve o iniciante a estar cada vez mais próximo do handebol, é o que se almeja. 11

Novamente, nas atividades de automatismos inconscientes, podemos observar a presença da intensa socialização nas brincadeiras das crianças, sobretudo naquelas adaptadas de jogos tradicionais, os quais com certeza privilegiam o aspecto de se jogar em grupo. E aqui aparecem também características de oposição (o primeiro conceito básico já referido), que muitas vezes se soma ao conceito de automatismos, operando em conjunto no sentido de fazer com que a criança crie elementos para o seu aprendizado, e que o professor ou treinador desenvolva as habilidades técnicas e de jogo.

3º Conceito Básico - Jogar para aprender

Existem muitas formas de se vivenciar e mesmo de se encarar a atividade jogada no quadro da iniciação ao handebol. Podemos admitir que se deva aprender para jogar, ou seja, o iniciante deveria aprender todos os passos 12

técnicos e táticos de um jogo, suas regras, para somente então praticá-lo como um todo.

Uma corrente de pensamento e práxis muito forte no interior da educação esportiva, e que ainda hoje mantém a sua influência, apregoa exatamente isso - deve se repartir o jogo em pedaços menores, aprender todas estas partes (os seus fundamentos, regras, elementos táticos como posicionamento em quadra), antes de começar a se realizar e praticar este jogo.

Por outro lado, há a possibilidade de se encarar o jogo como uma diversão pura e simples, isto é, jogar por jogar, sem nenhuma preocupação além da satisfação dos participantes.

Por fim, o conceito apresentado aqui, e denominado jogar para aprender, propõe que se deva jogar para aprender...a jogar! Isto é, e parafraseando o famoso verso de Carlos Drummond de Andrade6, este conceito afirma que jogar se aprende jogando. Isto significa que o treinamento dos "fundamentos" do esporte só existe se for num contexto de jogo. Até porque os "fundamentos" não podem ser considerados um fim em si mesmo, mas sim ferramentas que o jogador possui e desenvolve com a finalidade de jogar!

Há quem afirme, aliás, que os assim chamados "fundamentos" não existem para fora do contexto jogado, pois eles só teriam função e significação na situação de jogo, e assim, eles somente poderiam ser trabalhados neste momento.

Sem chegar a tal extremo, o que aqui afirmamos é a necessidade do iniciante se acostumar a participar de jogos, pois é somente no quadro da atividade jogada de handebol que ele pode exercitar integralmente os famosos fundamentos técnicos, da maneira em que eles devem ser aplicados.

Em relação aos rudimentos táticos, é nas situações jogadas que surgem os problemas de quando e como se colocar no espaço de jogo; percebe-se de que maneira atuar contra quem está perto ou longe; aprende-se a olhar para os

6

Um dos maiores poetas brasileiros, falecido ao final do século XX, escreveu em um dos seus mais famosos versos, que "amar se aprende amando". 13

lados ao dominar a bola, e a ter noções de profundidade e lateralidade ao efetuar passes; no jogo, desenvolve-se a consciência dos deslocamentos sem bola, para onde e em que momentos realizá-los. Enfim, é no jogo que irá se vivenciar e compreender que as suas ações técnicas estão balizadas pelos determinantes deste jogo, ou seja, das mudanças no movimento de seus colegas e dos adversários que ocorrem no espaço e no tempo durante o jogo. A esta experiência, que na totalidade ocorre no jogo, é que chamamos de iniciação tática.

Ao mesmo tempo, durante o jogo o iniciante se exercita emocionalmente, o jogo propicia emoções verdadeiras, ganhar, perder, fazer e sofrer gols, tudo isto é muito importante para que haja um desenvolvimento pleno do aprendiz.

Entretanto, a proposta subjacente ao conceito de jogar para aprender não é a do jogo completo, com sete jogadores de cada lado, com todas as regras e totalmente formal. Este conceito, ao contrário, sugere que se façam pequenos jogos, adaptados à criança, com algumas regras e metas (como atingir com a bola um local pré-determinado, contra uma pequena equipe adversária, por exemplo). Isto é, jogos reduzidos e criados em função do aprendizado das crianças, um jogo efetivamente educativo, para aprender a se jogar handebol.

Neste sentido, Tavares & Veleirinho (1999/2000), ao discutirem as diferentes concepções e abordagens do ensino de jogos desportivos coletivos, realizaram uma pesquisa que comparava a eficácia, para o aprendizado das habilidades do jogo (motoras, cognitivas, e de participação efetiva), do uso do jogo formal e do jogo reduzido, chegando a conclusão que

(...) o jogo reduzido possibilita uma maior participação do jogador, uma menor probabilidade para a ocorrência de atitudes passivas, uma elevada freqüência de contactos com a bola e um maior sucesso na finalização das acções ofensivas

(p. 63). 14

Desta forma, na iniciação, a maior parte das atividades devem estar voltadas para o jogo; atividade simples, com pouca complexidade, regras fáceis de serem compreendidas, porém um jogo, em diversos formatos, que contemple as características básicas do handebol, que lembre o formato do jogo e que possua os objetivos gerais da modalidade.

Existe, aliás, uma tendência do aprendizado e do próprio treinamento desportivo a desenvolver a especificidade da atividade no treinamento, ou seja, os treinamentos esportivos devem ser cada vez mais próximos à realidade da competição que se almeja.

A seguir apresento alguns exemplos de atividades nas quais está presente o conceito básico de jogar para aprender:

3.1. - Levar a bola para a casinha - uma bola, uma quadra com duas metades, e duas equipes identificadas diferentemente, atuando como adversárias; cada um dos times deve colocar um de seus membros - o receptor - dentro de uma pequena área delimitada no campo do adversário (um círculo de 1 metro de raio serve para a brincadeira - nesta área ninguém poderá entrar além do receptor); para marcar o seu ponto, cada equipe deve fazer com que a bola chegue no receptor que está na área delimitada, e quando estiver sem a bola, a equipe deve evitar com que a outra obtenha o seu ponto; pode-se fazer este jogo limitando o drible da bola, e já incluindo algumas restrições da regra sete, como o número de passos com a bola na mão, o tempo em que a criança segura a bola, entre outras. Esta atividade ilustra muito bem o conceito de jogar para aprender: há duas equipes se confrontando, procurando atingir um objetivo para pontuar, impedindo que a outra equipe consiga este objetivo; há regras que lembram o handebol, tal como a área delimitada na qual é interditada a presença de jogadores (exceto de um deles); a criança também está atuando sempre com as habilidades do handebol, tanto as habilidades técnicas (diversos passes, passada rítmica, fintas, recepção 15

da bola) quanto os rudimentos táticos - marcar, avançar sem bola, saber para quem, onde e quando efetuar o passe sem perder a bola; o iniciante cria estratégias para maximizar as chances de concretizar um bom passe para o receptor e assim fazer o ponto; entre outras situações - problema que surgem neste jogo, e que são estímulos para o iniciante exercitar e desenvolver sua capacidade geral de jogar.

3.2- Jogos em equipe, com pequenas balizas demarcadas por cones ou mesmo construídas em formato de "mini-balizas", com no máximo 90 cm de altura por 1 metro de largura. Com este material, e um pequeno espaço que pode ser inclusive em partes transversais da quadra, os alunos formam duas equipes contrárias, se posicionando cada qual atrás de sua respectiva baliza. Porém, na hora do confronto, eles atuam se defrontando em situações de "mini - jogos" de 1x1; 2x2; 3x3. Os objetivos de cada equipe são os mesmos, mas opostos, ou seja, fazer um gol dentro da baliza adversária, e evitar sofrer gol na sua. Pode-se estabelecer também uma pequena área em volta da baliza, de modo que ninguém possa entrar nela. Como variação, pode-se inclusive colocar um goleiro, quando houver a situação de 3x3.

Estas duas atividades acima exemplificam claramente o que está conceituado em jogar para aprender: aprendizado de atuação em equipe, com um formato de jogo que traga as habilidades básicas do handebol em uma situação jogada, estimulando o aprendizado da criança em situações de jogo em grupo, proporcionando assim que elas torçam por suas equipes, lutem contra os adversários, aprendam a jogar em duplas ou em trios, a defender a sua meta e a procurar a outra, marcando quando a outra equipe está sem bola, procurando espaços bons para o arremate quando a sua equipe dominou a bola. Enfim, façam atividades que, por seu caráter de jogo, intensifiquem, por um lado, o aprendizado cognitivo - orientações espaciais e tomadas de decisão - ao mesmo tempo em que favorecem o treinamento de habilidades - passes, arremessos, dribles, fintas, interceptações, botes, tudo isso surge e é 16

treinado na situação de pequenos jogos. Também por meio do jogo como forma de aprendizado, se amplia e se otimiza o contato com os colegas, multiplicando ainda mais o processo de socialização da criança por intermédio do esporte.

CONCLUSÕES

O objetivo deste trabalho foi apresentar alguns conceitos básicos que dêem suporte ao processo de coordenação geral de habilidades e compreensão inicial do jogo, no aprendizado do handebol. Isto é, conceitos que possam permear o primeiro contato que uma criança tem com a modalidade, otimizando o seu aprendizado por intermédio de vivências lúdicas e com proximidade ao jogo propriamente dito, adaptando-se, no entanto o conteúdo deste jogo ao desenvolvimento infantil.

Vale lembrar que todos os conceitos apresentados se inter-relacionam, entrelaçando-se na prática. Ou seja, muitas vezes automatismos ocorrem durante uma atividade de oposição, a qual por sua vez é constante dentro das atividades de jogar para aprender. Esta intersecção, longe de trazer algum prejuízo, acaba por mostrar a força destes conceitos os quais, integradamente, podem proporcionar ao professor ou treinador uma excelente base para planejar as suas sessões de treinamento na iniciação ao handebol.

Outros pontos também merecem relevo na iniciação ao handebol.

Em primeiro lugar, o papel do professor ou treinador de monitorar constantemente o desenvolvimento individual de seus alunos, ao mesmo tempo em que se preocupa em observar atentamente o contato físico advindo das atividades propostas. Embora o handebol seja um jogo em que este contato é permitido e intenso, o iniciante ainda não possui a técnica correta para a realização do choque corporal, tampouco para se proteger contra alguma ação potencialmente perigosa. 17

Desta forma, o professor deve estar atento para coibir contatos físicos que não visem a retomada da bola, sobretudo se estes acontecerem pelo lado ou por trás do atacante que está em posse de bola, colocando em risco a sua integridade física.

Por fim, é muito importante considerarmos sempre que o caminho para a iniciação esportiva do handebol deve ser pavimentado por muita alegria e diversão. As pesquisas indicam que as crianças do mundo todo afirmam que o seu primeiro interesse em realizar uma atividade esportiva é a busca por divertimento - e o seu primeiro motivo para se afastar desta atividade é a monotonia da mesma, ou o excesso de pressão na competição.

Assim, as propostas aqui apresentadas se referem a uma iniciação ao handebol completa, sadia e divertida, que faça com que o aprendiz se aproxime aos poucos da modalidade, aprendendo a sua técnica global e lentamente, de forma prazerosa, para que num futuro venha a se interessar e talvez até a se aprofundar neste aprendizado, trilhando os caminhos para atingir o alto nível de execução e competição.

Na iniciação ao handebol, todavia, o que se enfoca é a aprendizagem geral da modalidade, para que o iniciante se capacite a jogar handebol - aprendendo as suas habilidades mais importantes e entendendo a estrutura do jogo e seu posicionamento mais adequado nas diferentes funções em que pode atuar durante o jogo - defensor, atacante com ou sem posse de bola. E principalmente, também, que este aprendizado tenha como horizonte a formação integral do iniciante como ser humano, e que ele possa viver a experiência da iniciação de uma forma gostosa, vivendo todo o processo de socialização inerente ao handebol, se divertindo e criando amigos dentro da modalidade.

 

AGRADECIMENTOS especiais ao professores Luís Grauçá Tourinho Dantas e João Crisóstomo Bojikian, que analisaram os originais deste trabalho de forma muito generosa, paciente e gentil, e o enriqueceram com sugestões brilhantes e críticas absolutamente pertinentes. Este artigo também é merecidamente de ambos. Meu agradecimento sincero também à professora Anna Volossovitch, pelo convite para contribuir nesta revista e pela continuada disposição de manter um intercâmbio intercontinental.

18

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

KNIJNIK, J.D.;GREGUOL,M.; SILENO,S. Motivação no esporte infanto-juvenil: uma discussão sobre razões de busca e abandono da prática esportiva entre crianças e adolescentes. Revista do Instituto de Ciências da Saúde, 19 (1), 7-13,2001.(disponível também na internet - http://www.castelobranco.br/prppg/revista

TAVARES, F; VELEIRINHO, A. Estudo comparativo das acções ofensivas desenvolvidas em situação de jogo formal e de jogo reduzido numa equipa de basquetebol de iniciados. Revista Movimento, Porto Alegre, ano V, nº 11, 1999/2000, p. 57-64

WEINBERG, R.S. & GOULD, B. Foundations of Sport and Exercise Psychology. Champaign, Human Kinetics Publishers, 1995

HANDEBOL, INICIAÇÃO

segunda 05 setembro 2011 14:54



Nenhum comentário INICIAÇÃO Á PRÁTICA DO HANDEBOL



Seu comentário :

(Opcional)

(Opcional)

error

Importante: comentários racistas, insultas, etc. são proibidos nesse site.Caso um usuário preste queixa, usaremos o seu endereço IP (54.205.188.59) para se identificar     



Abrir a barra
Fechar a barra

Precisa estar conectado para enviar uma mensagem para fernandoedfisica

Precisa estar conectado para adicionar fernandoedfisica para os seus amigos

 
Criar um blog